Visitando Auschwitz, na Polônia

Visitando Auschwitz

Sabe aquelas listas de “lugares para visitar antes de morrer”? Todo mundo deveria visitar Auschwitz pelo menos uma vez na vida. Isso vai fazer você valorizar cada segundo de sua vida, cada pessoa que faz parte de seus relacionamentos. Posso garantir que você vai perceber como uma enorme tragédia pode acontecer se odiarmos outra pessoa devido à sua nacionalidade e raízes.

Algo que podemos dizer com certeza: não é uma experiência agradável. A gente não conseguiu ficar bem pelo resto do dia. Tinha muita coisa pra ver em Cracóvia quando voltamos do tour, mas não estávamos no mood.

visitando auschwitz

Visitando Auschwitz

Introdução

Bom, nem preciso mencionar que foi a experiência mais esmagadora que tivemos durante a nossa eurotrip em mai/18. Durante os passeios eu me senti mal, chorei, minhas mãos tremiam… horrível! Deixamos os campos de concentração nazistas cheios de pensamentos e reflexões. Uma coisa eu posso dizer com certeza: visitar Auschwitz vai mudar você para sempre!

Nosso objetivo quando decidimos incluir Cracóvia na nossa eurotrip era visitar Auschwitz porque queríamos ver com nossos próprios olhos o quanto essa parte da história foi horrível. Vale a pena visitar e será uma experiência inesquecível! A gente queria ter tido mais tempo para desfrutar de Cracóvia, de qualquer forma.

Lembrando que Cracóvia foi o sétimo destino da nossa eurotrip 2018, onde também visitamos Madri, Malta, Budapeste, Bratislava, Viena, Praga, Malmö, Copenhague e Toledo.

visitando auschwitz

Recomendamos pelo menos 90 minutos para visitar Auschwitz Birkenau e outros 90 minutos para Auschwitz II.

História

Auschwitz foi o maior campo de concentração nazista da Alemanha. Apenas os presos políticos e a oposição deveriam estar lá a princípio. Posteriormente se tornou um campo de extermínio.

Nos anos 1940-1945, os nazistas deportaram pelo menos 1.300.000 pessoas para Auschwitz:
1.100,00 judeus;
140.000 – 150.000 poloneses,
23.000 ciganos (ciganos);
15.000 prisioneiros de guerra soviéticos;
25.000 prisioneiros de outros grupos étnicos.
1.100.000 dessas pessoas morreram em Auschwitz. Aproximadamente 90% das vítimas eram judeus. A SS assassinou a maioria deles nas câmaras de gás.

Prisioneiros detidos no campo de concentração morreram por excesso de trabalho, castigos sádicos por fome, exaustão após jornadas prolongadas, tortura por condições de vida pavorosas, sendo usados para experimentos médicos ou execução arbitrária. Os que estavam muito fracos ou doentes para trabalhar eram escolhidos pela SS durante as chamadas ou na enfermaria e enviados para as câmaras de gás ou assassinados com injeções de fenol.

visitando auschwitz

Na verdade, é incerta a quantidade de pessoas que morreram em Auschwitz-Birkenau. Os nazistas destruíram muita documentação. Além disso, eles nem sempre faziam anotações de todas as pessoas que foram mortas nos campos de concentração.

Heinrich Himmler foi uma das pessoas mais poderosas da Alemanha nazista. Ele queria fazer de Auschwitz o lugar de sua “solução final para a questão judaica”, que era o extermínio de toda a nação em seu ponto de vista.

Sobre visitar Auschwitz

Começa passando o famoso portão do acampamento original, onde diz “Arbeit macht frei” – o trabalho te liberta. Os prisioneiros passaram a caminho do trabalho.

visitando auschwitz 4

Então você vê os alojamentos  hoje há exposições de museu dentro. Você aprende sobre a história do acampamento e sobre a vida dos prisioneiros em cada um deles.

visitando auschwitz

Uma vez que você entra, você encontra muitas salas onde pode ver os pertences pessoais dos prisioneiros, como sapatos, cabelos, pentes, brinquedos, bolsas, escovas de barba, etc. Além disso, há um corredor onde você pode ver as fotos de alguns prisioneiros. Vendo seus rostos e imaginando o que eles passaram foi quando eu comecei a chorar.

Clique nas imagens para ampliá-las

Clique aqui para ganhar R$ 130,00 de desconto na sua primeira reserva de acomodação no Airbnb e ajude nosso blog a continuar criando conteúdo de qualidade!  

Na foto seguinte, é o Muro da Morte (Death Wall) onde as pessoas eram executadas a tiros. Está localizado entre os quarteirões 10 e 11 – onde a SS torturava prisioneiros.

Clique nas imagens para ampliá-las

Depois de ver o acampamento principal, o motorista da Escape2Poland leva você para Auschwitz II-Birkenau, que era onde os prisioneiros chegavam de trem de muitas partes da Europa.

Clique nas  imagens para ampliá-las

É uma visita um pouco mais tranquila do que Auschwitz I – embora historicamente seja onde as maiores tragédias ocorreram. Acredito que a razão é por não ter muito o que ver, apenas ruínas.

Visitando Auschwitz 14

Visitando Auschwitz 15

É uma área enorme e é aqui que o guia explica como os prisioneiros viveram porque foi aqui, no Auschwitz II-Birkenau, onde a maioria deles morava. Então é nos mostrado as ruínas dos crematórios. Você pode entrar em uma câmara de gás e ver arranhões de unhas marcados nas paredes! Quando o Victor viu, o estômago dele embrulhou. Essa foi a pior parte do passeio pra ele. Com certeza bem tocante, sabe?

Clique nas imagens para ampliá-las

Lembrando que se você já tem sua viagem marcada para a Polônia você precisa adquirir um seguro viagem. Clique aqui para consultar os planos internacionais e de intercâmbio da seguradora GTA. Já explicamos aqui que não contratar um seguro viagem pode fazer você perder muito dinheiro, além de causar graves transtornos.

Fazer esse tour com a Escape2Poland foi a melhor decisão, já que eles nos pegaram em Cracóvia, bem perto do nosso Airbnb e, durante o trajeto eles mostraram um vídeo introdutório que facilitou muito a compreensão do passeio depois.

Dentro dos acampamentos existem apenas guias credenciados. Eles parecem uma enciclopédia e você pode fazer perguntar tudo que precisar. Aprendemos muito!

Mega recomendamos que você reserve seu tour o mais cedo possível pela manhã. Você evitará o sol e as multidões.

Você pode querer ver o post: Visitando a Casa de Anne Frank.

Agora é com você! Você visitaria Auschwitz? Se sim, lembre-se de reservar o passeio com a Escape2Poland. Comente com eles sobre este post e você receberá 10% de desconto para reservas de mais de duas viagens com eles!

O Blog #PartiuMundo foi convidado pela Escape2Poland, mas isso não influenciou a nossa opinião! Para maiores informações, visite o site oficial deles.

Veja também:

Clique aqui para consultar todos os posts sobre a Polônia.

Clique aqui para consultar todos os posts sobre Cracóvia. 

Clique aqui para consultar todos os posts sobre atrações em Cracóvia.


Se você gostou de ler este post, compartilhe ou salve no seu painel de viagens no Pinterest “visitando Auschwitz”!

Visitando Auschwitz

Anúncios

Escrito por

Somos um casal apaixonado por viagens. Além disso, adoramos compartilhar nossas aventuras e o nosso dia-a-dia também. É exatamente sobre tudo isso que falamos no nosso blog partiumundo.com, o qual convidamos a todos a darem uma conferida, pois é lá que vocês encontrarão dicas para viagens de uma forma geral. Sejam bem vindos e esperamos receber feedback de vocês. Beijos carinhosos, Carolina e Victor.

2 comentários em “Visitando Auschwitz, na Polônia

  1. Top esse relato. Eu tenho uma vontade absurda de conhecer Auschwitz devido à todo esse histórico comentado. Queria ver de perto um pouco da barbárie que o ser humano foi capaz de cometer e até hoje comete das mais variadas formas. Oportunidade para visitar e sentir um pouco da energia (ruim seja lá como qualificar) para entender o que precisamos mudar ainda mais em nossas pobres vidas.

    Parabéns pela matéria. Show pela visão diferenciada em relatar !!!

    1. Foi bem esse mesmo o motivo que nos levou a ir até lá.
      E é impressionante como essas barbaridades ainda estão presentes em nossas vidas. Olha o tanto de acontecimento trágico que tem nos cercado nos últimos tempos 🙁
      Mas, vida que segue, né? Pelo menos a gente tenta dar um pouquinho mais de amor ao próximo da forma que podemos…
      Obrigada pelo comentário e por estar presente aqui no blog!
      Beijos,
      Carol

Deixe uma resposta